Estamos assistindo a humanidade pendular para uma era de dissonância entre as nações. Será que, enquanto todos nós perdemos, continuaremos a ver a insensatez, especialmente a política, prevalecer?

Nunca imaginei que, em pleno século 21, viveria uma retomada do afastamento entre as nações, com turbulências internas em gigantes emergentes como Brasil e México, e disrupções na rota de integração econômica de potências como China/Taiwan e Reino Unido/Euro. Infelizmente, apesar de todos os recursos e conhecimento disponíveis ao ser humano neste momento, vemos abalos no multilateralismo, com mercados e investidores obviamente reagindo com pragmatismo e conservadorismo.

No recente estudo anexo, TODOS os países avaliados em 2015 tiveram QUEDA no índice de atração de investimentos estrangeiros para 2016. E, apesar da posição de liderança dos EUA neste ranking, aguardemos os desdobramentos, pois há uma eleição presidencial nada monótona em andamento naquele país.

Prefiro acreditar – e trabalhar para – que essa dissonância seja passageira, pois, a meu ver, não há caminho sustentável que não envolva a integração, a coletividade e o bem comum.

FONTEKearney
Próximo artigoQue seja longa a jornada
Curador do Portal Epicentor.com. Empreende no setor de Serviços, Tecnologia e Inovação. Engenheiro civil e ambiental (UnB), pós-graduado em gestão nos EUA e França (INSEAD, MIT, Wharton e Georgetown). Foi Professor-visitante na Cornell University (Nova Iorque – EUA, 2014 e 2015) e Secretário de Comércio e Serviços do Governo Federal (2011 a 2014). Atua como Palestrante em temas voltados ao Desenvolvimento Econômico, e como Membro do Conselho de organizações. Foi co-fundador e dirigente do movimento Jovem Empresarial (CONAJE 2000 a 2002 e CJE-DF 1998 a 1999). É Autor sobre Serviços, Inovação e Empreendedorismo Digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor coloque aqui o seu Nome