A bioengenheira Lana Awad somente entendeu que tinha problemas de visão quando chegou ao nono ano escolar. Estes problemas eram oriundos de uma desordem genética e, mesmo com o uso de óculos, sua visão estaria comprometida. E foi somente após buscar adiante em seu livro de biologia que ela encontrou, por sorte, sobre a disfunção genética que acomete a visão, e compreendeu que era este o seu problema.

Ninguém nunca falou muito sobre o problema de Awad durante sua infância ou adolescência — primeiro na Síria, depois na Arábia Saudita — porque, “no Oriente Médio, há um enorme estigma social contra os deficientes,” disse ela.

Estimulada pelo desejo de entender mais sobre sua própria condição e sobre a genética em geral, Awad se mudou para os Estados Unidos em 2007 para estudar no Massachusetts Institute of Technology – MIT, onde obteve sua graduação em bioengenharia. E depois de três anos trabalhando com restritas estatísticas de testes clínicos, ela se matriculou na Harvard T.H. Chan School of Public Health onde se graduou no mestrado em biologia computacional e genética quatitativa.

Neuro Tecnologia que transformará a Humanidade

Iniciativas pioneiras como a do Nicolelis Lab da Duke University, que estudam codificação neural, interfaces cérebro-máquina e neuropróteses em pacientes humanos, abrem caminho para novas iniciativas subsequentes. O Nicolelis Lab desenvolve estudos em abordagem neurológica e psiquiátrica integrada para o tratamento de desordens como o Parkinson e a epilepsia. Estes trabalhos entusiasmam a sociedade global com projetos inusitados, como o “Andar de Novo” (Walk Again Project) que obteve resultados impressionantes com paraplégicos e tetraplégicos controlando exoesqueletos, como o que deu o pontapé inicial da bola na Copa do Mundo de 2014.

Image result for Thomas Reardon, CEO, CTRL-labsE, em ação correlata, a engenheira Lana Awad se integrou a um time para formar a CTRL-labs, uma startup tecnológica de neurociência baseada em Nova Iorque, com a missão de criar interfaces neurais não-invasivas visando habilitar humanos a decodificar nossas intenções para as máquinas. Em conjunto com um time de experts que inclui Joshua Duyan como diretor de estratégia, e sob a presidência do co-fundador Thomas Reardon – que foi antes o líder da equipe da Microsoft que criou um dos aplicativos mais utilizados do planeta: o Internet Explorer – a CTRL-labs prepara um significativo anúncio para o final deste ano.

Captura de Intenções

O time da CTRL-labs acredita que os humanos não são restritos quanto à recepção de informações, visto que nosso cérebro consegue absorver e interpretar um enorme montante de informações simultâneas, como som, temperatura, dor, visão, odor, sabor, entre outros. Entretanto, a empresa percebe que somos sim bastante limitados quanto à reação, principalmente motora, dadas as limitações físicas de nosso corpo – voz, ação muscular, etc – e também às formas com que interagimos com equipamentos, outros organismos e com o planeta. Um exemplo disso ocorre quando percebemos o aumento estrondoso de acidentes de trânsito decorrentes do uso de smartphones por motoristas.

Quando a inteligência artificial e as interfaces neurais se unem, surge a possibilidade de facilitação deste problema de interação humana-máquina. A Captura de Intenções possibilita que a atividade elétrica que representa as correntes de informação do sistema nervoso possam ser aplicadas diretamente a instrumentos sem a necessidade de uma ação motora por meio de um controlador – como um volante, um joystick, um microfone ou um teclado. Além disso, a Captura de Intenções possibilitará a criação de uma nova gama de aparelhos úteis à sociedade, como exoesqueletos, sistemas de transporte, instrumentos industriais, entre outros.

O desafio da Captura de Intenções é a decodificação de neurônios reais em neurônios digitais utilizando técnicas de miocontrole (muscular – onde o controle é exercido pelo humano com gestos físicos) e de neurocontrole (neural – onde o controle é ensinado pelo humano para a máquina sem movimentos musculares).

Com lançamento previsto para Dezembro deste ano, a CTRL-labs almeja propiciar a parceiros e desenvolvedores o ferramental necessário para construir aplicações voltadas à Captura de Intenções. O kit é composto por: hardware – módulo não-invasivo e sem fio que decodifica neurônios individuais por biosensores multimodais;  SDK e API – módulo de fácil setup para reconstrução de posição da mão, modelagem de força e tensão e EMG dashboard; e Captura – módulo de algoritmos com poderosas redes neurais, com decodificadores de linguagem biológica de neurônios.

Assim sendo, parece que muito em breve, a Lana realmente estará lendo seus desejos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor coloque aqui o seu Nome